NOTÍCIAS Voltar >

Em processo de vacinação, equipe de saúde faz alerta à comunidade

Publicado em 12/03/2021, Por Assessoria de Comunicação

Desde o início da campanha de vacinação contra a covid-19, o município de Erebango recebeu 660 unidades de imunizantes (Oxford/ AstraZeneca e CoronaVac). Até o momento foram feitas 518 aplicações, sendo 324 na primeira dose e 194 na segunda. Os grupos prioritários dessa fase são os profissionais de saúde, indígenas, pacientes acamados e idosos. “Estamos na faixa etária acima de 79 anos. Nesta sexta-feira temos a previsão para a chegada de mais 60 doses que serão destinadas à primeira etapa – idosos - o que possibilita a ampliação”, destaca a técnica em Enfermagem e responsável pelo setor de imunização, Cristiane Dallanora de Vargas, citando que a equipe irá vacinar os idosos de 79 anos, 78 e 77 anos, conforme a disponibilidade de doses.

Cristiane destaca que ainda restam algumas unidades destinadas aos indígenas e o município está no aguardo da autorização da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) para fazer o remanejo dessas doses e aplicar à população aldeada que ainda não recebeu a vacina por não estar no cadastro prévio realizado pelo órgão em novembro.

A técnica em Enfermagem alerta que essa é a pior fase da pandemia. “Nunca tivemos tantos pacientes internados por complicações da covid-19, em todo o País, precisando de oxigênio para conseguir respirar. Diante disso, precisamos redobrar os cuidados. O vírus está diferente, o contágio está mais rápido e os sintomas mais agressivos”, reitera, citando que, mesmo com a vacina, é necessário, principalmente, evitar aglomerações, priorizar o uso de máscaras, fazer a higienização frequente das mãos com água e sabão, além da aplicação de álcool em gel 70%.

“Somente com a diminuição no número de internações vamos conseguir sair da bandeira preta. A população precisa ajudar nesse processo: evitar as saídas de casa sem muita necessidade; os isolados devem cumprir o período de quarentena e somente sair para consultas! É fundamental diminuir a circulação do vírus para assim evitar mais perdas no futuro”, orienta Cristiane.

 

 





Imprimir Notícia - Compartilhar no Facebook